Nova plataforma da Plug and Care facilita acesso à conteúdos do cuidar: confira como foi o lançamento

As dimensões do cuidar marcaram lançamento da plataforma Plug And Care, a primeira no mercado voltada ao cuidador familiar de idosos. O evento aconteceu no dia 21 de maio, no auditório da Unibes Cultural São Paulo, reunindo cerca de 200 pessoas que foram conferir a novidade e discutir os desafios, perspectivas e soluções para quem dedica tempo, carinho e atenção ao maduro. O encontro faz parte das ações estratégicas de comunicação desenvolvidas pelo Hype60+ para dar visibilidade à marca conectando a nova ferramenta com o cuidador familiar de idosos.

A importância da temática da longevidade e iniciativas que estão sendo desenvolvidas no mercado para os seniores foram reconhecidas e enaltecidas pelo diretor da Unibes, Bruno Assami, em suas boas vindas à plateia. “Nós temos em mãos a possibilidade de integrar todas as gerações conjuntas da sociedade para discutir os desafios do envelhecimento. Este é sem dúvida o maior desafio que temos hoje. O Hype60+ é um parceiro nosso em uma série de encontros e torcemos para que o evento da Plug and Care possa estimular outras iniciativas que a temática da longevidade requer”, afirmou.

Bruno Assami e Bete Marin

Dando início a programação do evento que congregou especialistas da área de saúde, cuidadores familiares, empreendedores e atores do mercado prateado, o sócio-fundador da Plug and Care, Alexandre Pereira, declamou a poesia Saber Viver, de Cora Coralina.

“Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.” Cora Coralina

Alexandre Pereira – sócio fundador da Plug and Care

 

A também sócio-fundadora, Mônica Perracini, subiu ao palco do auditório para compartilhar um pouco da sua história com as dimensões do cuidado. Inspirada no pai, médico geriatra, acompanhou ainda criança a vivência com a área. “O telefone tocava de dia, noite e madrugada. Vi meu pai bater longos papos com familiares de pacientes que ele tratava. A gente sabe que quando tem uma pessoa debilitada, sempre há uma família por trás. O envelhecimento é  tônica do Brasil, todos nós sabemos e a família é a fonte natural de cuidado para o idoso. Mas o que é cuidar no âmbito da família?”, declarou.

Monica Perracini – sócia fundadora da Plug and Care

O questionamento foi o gancho para dar início a palestra “Cuidadores familiares de idoso: desafios e perspectivas”, apresentada pela médica geriatra Karla Giacomin. No telão surgiu a imagem projetada de um bebê sendo acariciado pela mãe. A médica surpreendeu a todos informando que foto representa um velho que acaba de nascer. “Cada um de nós é um idoso em potencial e em todas as idades haverá a necessidade de cuidados, isso é parte da condição humana. 24% dos idosos brasileiros apresentam alguma dificuldade para realizar atividades simples como tomar banho, alimentar-se, andar de um cômodo para outro, ir às compras, tomar remédio, sair de casa usando transporte, entre outras tarefas. Sendo destas, 84% são cuidadas por pessoas não pagas, ou seja, familiares. O cuidado é um atributo que permite nos tornarmos seres humanos plenos. Quando uma pessoa demanda cuidado, precisamos entender que a família também vai precisar ser cuidada. Aprender a cuidar de nós mesmos e do outro é uma habilidade requerida do nosso tempo e a tecnologia pode ser usada como ferramenta de aprendizagem”, ressaltou Karla Giacomin.

Dra. Karla Giacomin

 

Para dar continuidade a programação da noite, a Raquel Pires, sócia fundadora da Plug and Care abriu o foi o debate “Cuidando de pessoas idosas na família: necessidades e soluções”

Raquel Pires – sócia fundadora da Plug and Care

 

com participação de  Naira Dutra Lemos (especialista em gerontologia pela SBGG, coordenadora  do Programa de Assistência Domiciliar ao Idoso da Disciplina de Geriatria da UNIFESP), Regina Garcia Gil de Oliveira (administradora e cuidadora familiar), Sandra Regina Gomes (especialista em gerontologia pela SBGG, coordenadora da Coordenação de Políticas para Pessoa Idosa da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de São Paulo), Sofia Pavarini (especialista em gerontologia pela SBGG e professora do curso de Gerontologia da UFSCar) e moderação de Mônica Perracini.

Como a pessoa se torna um cuidador? foi a primeiro questionamento do bate-papo. Segundo Naira Dutra, o cuidador nasce de uma necessidade, a partir do adoecimento de um ente familiar. “A pessoa dorme como filha, nora ou esposa e acorda cuidadora. Não é uma escolha, são as contingências que estruturam as pessoas para serem cuidadoras”, afirmou.

Regina Garcia contou como se tornou cuidadora do sogro: “Foi acontecendo naturalmente, após o falecimento da minha sogra, aos poucos fui dando um apoio, assumindo algumas tarefas, com passar do tempo foi aparecendo outras necessidades e naturalmente ele veio para minha casa”, compartilhou. Para Sofia Pavarini, “qualquer definição do cuidado é uma arte que se aprende ao longo da vida. É um balé de cuidadores e em algum momento alguém entra em cena, geralmente mulher, filha ou esposa”, declarou.

 

No painel, da esquerda para a direita: Sofia Pavarani, Naira Dutra Lemos, Sandra Gomes, Monica Perracini e Regina Oliveira

 

A segunda pergunta trouxe o desafio de ser um cuidador familiar quando não há políticas públicas e foi respondida por Sandra Gomes. “Não há suporte para atender a demanda de idosos e cuidadores, com infraestrutura que permita cuidar do ente familiar e continuar no ambiente de trabalho, com seus projetos pessoais. Mas o poder não está na política pública, no prefeito ou governador. Está no povo, nos idosos e familiares. Precisamos envolvê-los dos seus direitos, informá-los, empoderá-los, e é através da educação, do conhecimento, da mobilização que conseguiremos isso.” A coordenadora da Coordenação do Idoso da Prefeitura de São Paulo alertou ainda que o Estatuto do Idoso criado em 2003 está desatualizado e não contempla os maduros de hoje. O diálogo ainda levantou as perspectivas na experiência do cuidar e os ganhos para a família que convive com o idoso no lar.

Em seguida foi a vez do fundador do Gerocast e da Comunidade Envelhecimento 2.0, Wiliam Fiore subir ao palco do Unibes Cultural para apresentar as tendências, inovações, mercado da longevidade no Brasil e no Mundo. Numa experiência para mostrar o potencial de consumo dos seniores, ele mostrou que reunindo todos os idosos, os 60+ seriam a terceira maior economia do planeta. Contudo, eles ainda estão invisíveis para muitas marcas que não tem a cultura gerontóloga implantada. “O envelhecimento acontece de maneira única, e o cuidado também é único. Os seniores não precisam de cota, eles precisam ser inseridos naquilo que já existe. Por isso é tão importante iniciativas como a da Plug and Care que pensa no idoso, no cuidador e na cultura do engajar,” ressalta.

Na foto Willians Fiori

 

LANÇAMENTO – Por fim, chegou o aguardado momento de colocar no ar a inovadora plataforma da Plug and Care. A ferramenta traz uma série de conteúdos especializados, informações, orientações, e-books, produtos, serviços e uma gama de soluções para os cuidadores. Nela é possível assistir vídeos didáticos onde é possível aprender sobre como lidar com tosse e engasgo durante as refeições, como o cuidador pode ajudar o idoso a sentar e levantar de forma segura, como estimular o prazer de comer usando a consistência certa do alimento, a estimular a memória do ente querido,  entre outras dicas cotidianas.

O portal traz várias temáticas pouco exploradas, como finanças e questões jurídicas, bem-estar do cuidador e histórias do cuidar, onde por meio de um app gratuito os usuários podem se conectar com outros cuidadores para compartilhar experiências, ensinamentos e colaborar uns com os outros, além de receber orientações e conteúdos desenvolvidos especialmente para atender as necessidades e desafios dos cuidadores familiares de idosos.

A Plug and Care tem navegação fácil e comunicação orientada na usabilidade para manter a autonomia do 60+. Outra demanda atendida foi a criação de um e-commerce com produtos selecionados para o cuidar com maior segurança, eficiência e desenvolvimento do ente querido. Entre os produtos disponíveis: cinta transferência, barras de segurança, bengala, jogos de memória, artes e muito mais.

A sócia-fundadora e responsável pela área de operações e tecnologia da Plug and Care, Mônica Tomomitsu esclareceu que os sócios tinham um propósito comum: fazer a diferença na vida dos cuidadores familiares de idosos e para isso desenvolveram a plataforma.

Monica Tomomitsu – sócia fundadora da Plug and Care

 

Para encerrar a noite foi exibido, em primeiro a mão, o vídeo Manifesto do Cuidar, idealizado pelo Hype60+ para registrar o verdadeiro propósito da marca. Uma homenagem para o cuidador familiar, a razão da existência da Plug and Care.

“Está sendo muito gratificante o nosso trabalho de consultoria de marketing para a Plug and Care. A nossa estratégia  abrange  planejamento  e implementação das diversas ferramentas de marketing, incluindo assessoria de imprensa. Veja aqui a cobertura do  Estadão. Além de ser uma empresa que oferece serviços de grande utilidade pública, os sócios são super especialistas, gerando uma troca incrível de conhecimento. Satisfação, resultado e aprendizagem são as palavras que sintetizam a nossa parceria.” explica a co-fundadora do Hype60+ e responsável pela criação da campanha, Bete Marin.

Ficou curioso e quer conhecer a primeira plataforma dedicada ao cuidador familiar? Clique aqui e saiba mais: https://www.plugandcare.com/


Também publicado no Medium. Siga-nos!

mm

Bete Marin

Co-fundadora das empresas Hype60+, Amo Minha Idade, ED Comunicação e ED Promoção e Eventos e sócia da Virada da Maturidade São Paulo. 20 anos de experiência em planejamento estratégico, comunicação integrada, eventos e festivais. Formada marketing, pós-graduada em comunicação pela ESPM e MBA pela FGV São Paulo.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.